domingo, 29 de janeiro de 2012

DIFERENCIAL: O BLOG QUE FAZ A DIFERENÇA PARA QUEM FAZ A DIFERENÇA

O Blog DIFERENCIAL faz a diferença por ser:

Original. Seus textos constituem legítima criação intelectual de seu editor e colaboradores.

Autêntico. Seu conteúdo é assertivo, genuíno, fidedigno.

Imparcial. Tem compromisso com a verdade, com a equidade, com a justiça.

DIFERENCIAL defende o princípio de que a Palavra, como instrumento da Fé, da Inteligência e do Conhecimento, é a alavanca propulsora das grandes mudanças e transformações para o advento de um mundo melhor.

DIFERENCIAL insurge-se contra as desigualdades e a exclusão, o autoritarismo e a prepotência, e assume-se como ferrenho defensor da liberdade de expressão e do exercício pleno da cidadania.

DIFERENCIAL acredita e confia na força da verdade, no potencial transformador das pessoas de boa vontade, na vitória da justiça contra a opressão e no triunfo do bem contra o mal.

Quanto a Piancó, DIFERENCIAL opõe-se a seu perverso clientelismo, que, como sempre, à custa dos cofres públicos, beneficia alguns privilegiados em detrimento da grande maioria da população, e escancara a porta da corrupção de sua política iníqua e excludente.

Por tudo isso, é que, em Piancó e além, quem faz a diferença no espírito, no pensamento e na consciência lê DIFERENCIAL.

O vídeo abaixo mostra o que DIFERENCIAL já publicou até dezembro de 2011:

video

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

APONTAR-TE O DEDO CONTRA TUA POLÍTICA INÍQUA E EXCLUDENTE É PRECISO, Ó PIANCÓ DECADENTE!


Jovem, 20 anos, pobre, prostituta, usuária de drogas, revoltada com sua miséria existencial, entediada com a mesmice de seu cotidiano sócio-cultural. “Eu bem que poderia ter tido outra vida aqui, mas nunca me deram uma oportunidade. Os políticos daqui não ajudam os pobres. Sempre desejei ter uma profissão, trabalhar por minha conta. Minha mãe fez tudo para conseguir comprar uma máquina de costura para mim, mas nunca pôde. Acabei trabalhando nas casas dos outros, como empregada doméstica... E hoje vivo assim, desiludida, sem saber o que fazer da vida...”, desabafa, exasperadamente, a irritada adolescente, indignada com a política iníqua e excludente de Piancó...

Jovem, 19 anos, pobre, alcoólatra, inconformado com a exclusão social que o relega à condição de indesejável favelado. “Sempre tive vontade de abrir uma borracharia para mim, aqui em Piancó, mas nunca tive condições de comprar o equipamento necessário. Também nunca encontrei quem me facilitasse um espaço onde eu pudesse executar esse trabalho. Pensei em procurar um político que me mostrasse um jeito de eu conseguir isso, mas desisti, pois sei que em Piancó os políticos ainda não fizeram nada para ajudar a quem quer iniciar um pequeno negócio”, diz frustradamente e indignado com a política iníqua e excludente de Piancó...

Jovem, 18 anos, pobre, estudante, com admiráveis pendores artísticos, frustrada por não poder conseguir meios para desenvolver seu talento e obter renda. “Meus trabalhos de pintura e crochê tanto são procurados aqui como nos municípios vizinhos. Eu gostaria de me aperfeiçoar em artesanato, e conseguir mercado para meus produtos, mas o município de Piancó não tem nenhuma ação de ajuda ao artesanato. Os políticos daqui não têm o mínimo interesse nisso”, exclama desalentadamente e indignada com a política iníqua e excludente de Piancó...

Jovem, 21 anos, pobre, concluinte do Ensino Médio, sem recursos para montar um salão de beleza, apesar de sua reconhecida habilidade em corte de cabelo, manicure e pedicure, atividades que tem desenvolvido empiricamente em sua casa, à míngua da ansiada formação técnica e do espaço de trabalho que não logrou obter em sua própria cidade. “Piancó não tem o que dar. Neste lugar nada se faz pelos pobres. Os políticos daqui só pensam nos interesses deles. Eu gostaria de viver aqui, mas, mesmo sem querer, sou obrigada a ir embora. Vou para São Paulo.”, diz, confrangidamente, com as faces enrubescidas e a voz embargada de indignação, semicerrando os olhos marejados de lágrimas, e deixando transparecer na entonação da expressão acentuado tom de amargor e melancolia, por ter de deixar seus entes queridos, por ter de deixar sua terra natal, de onde não sairia, se oportunidades tivesse de nela prosperar. Triste, desgostosa da vida e extremamente indignada com a política iníqua e excludente de Piancó...

Jovem, 19 anos, estudante. “Vou economizar até conseguir o dinheiro de minha passagem para São Paulo. Vou tentar a sorte lá. Piancó não tem o que dar, não tem emprego, não tem nada para oferecer à juventude. Essa cidade não se desenvolve, ninguém faz nada por ela. Os políticos daqui nunca se uniram para conseguir nada para os pobres. Só sabem prometer e não fazem nada. Essa politicagem de Piancó é uma praga!”, deblatera a resoluta adolescente, indignada com a política iníqua e excludente de Piancó...

Eis deploráveis depoimentos que tanto conspiram contra ti, Piancó, como fragmentos de muitos extensos desabafos de filhos teus pobres, injustiçados e excluídos, financeiramente fragilizados e indignados com tua política iníqua e excludente.

Sou, pois, forçado a apontar-te o dedo e perguntar-te, Piancó: À parte o certo que fizeste, ao longo dos teus 263 anos, que de errado então fizeste tu para seres alvo de tanta indignação assim conta tua política?

Quem te conhece bem e contigo convive, Piancó, bem pode responder por ti: É tão só que, voluntária ou involuntariamente, fizeste a política dos políticos e não a política do povo... a política do poder e não a política do desenvolvimento... a política da demagogia e não a política da justiça social...

Fizeste, Piancó, a política dos políticos e não a política do povo, porque sempre moldaste tua ação política pelo jogo das conveniências político-partidárias de uma privilegiada minoria elitista e autoritária, toscamente apática e indiferente às iniciativas de emergência política de tuas classes populares; minoria insensivelmente contrária à luta dos pobres para se tornarem sujeitos políticos, ocuparem espaços e assumirem papéis decisivos na cena pública.

Inúmeras são, Piancó, tuas censuráveis manifestações de iniqüidade política, de segregação contra teus pobres, de desrespeito à tua desalentada população. Tua classe dominante sempre persiste, ardilosamente, em manter tuas minorias, teus pobres, teus excluídos impedidos da ascensão social e política.

Vejam-se, a exemplo, Piancó, dois casos que te são emblemáticos de tua política iníqua e excludente:

Um, o vergonhoso e cínico proceder de atores políticos teus que, ao sabor das vantagens que lhes sejam oferecidas, mudam despudoradamente de posição político-ideológica, num abrir e fechar de olhos, mercantilizando, da maneira mais vil e repugnante, seu papel representativo da coletividade. Outro, a interesseira interposição de tua classe dominante entre o povo e as esferas de poder estadual e federal, o que constitui uma barreira que só tem impedido o diálogo franco e direto do povo com seus representantes naqueles níveis de representação.

Tudo isso, Piancó, porque tua elite dominante sempre buscou deter o monopólio do discurso, em nome do povo, ante as demais esferas de poder. E, como se isso não bastasse, tua elite dominante sempre procurou, de uma forma ou de outra, sufocar os protestos de contestação à tua política iníqua e excludente, que tanto tem causado desintegração familiar e exclusão social.

Desditosos pais pobres, a verem partir para longínquas terras não menos desditosos filhos seus, que em ti, Piancó, bem poderiam ter ficado e progredido.

E, a cada partida desses excluídos de ti, Piancó, um coração de mãe dilacerado pela dor da separação e da saudade, pela incerteza de revê-los um dia, pela deprimente tristeza de nem sequer lhes ter podido proporcionar um recurso qualquer, por pouco que fosse, para minorar-lhes as privações da viagem. Tristeza não menos deprimente dos que nada de lenitivo puderam deixar para as privações de seus familiares que em ti ficaram, Piancó.

Fizeste, Piancó, a política do poder e não a política do desenvolvimento, porque, sempre avassaladas pelo corporativismo, tuas lideranças políticas jamais foram capazes de estabelecer um pacto apartidário entre elas e tua população, em prol de teu progresso e crescimento.

Teus pobres, teus excluídos, teus marginalizados simplesmente ficaram impossibilitados de prosperar em ti, Piancó, porque te omitiste de abrir-lhes oportunidades de progresso, de incluí-los num grande projeto comunitário de geração de emprego e renda, E a tantos deles, Piancó, outra saída não restou senão, a contragosto, a triste partida para longe, órfãos de tua proteção, vítimas de tua vergonhosa indiferença e omissão.

Fizeste, Piancó, a política da demagogia e não a política da justiça social, porque tua enganosa política mentiu às mentes crédulas, que sonharam com mudanças que nunca ocorreram, com promessas que nunca se cumpriram, com projetos que nunca se realizaram. Mentes de pobres, sem referência, sem nome, sem identidade, injustiçados e oprimidos, impotentes e humilhados, desiludidos de ti e extremamente indignados contigo, Piancó.

Tem prevalecido em ti, Piancó, disfarçado interesse de tua classe dominante em manter a pauperização de tuas classes desfavorecidas, premidas pela penúria, submetidas ao vergonhoso expediente da barganha do voto e do condicionamento clientelista,

Mas, Piancó, muitos de teus pobres estão começando a sair da passividade, e a perceber que lhes é possível o papel político ativo; estão começando a compreender que um retirante nordestino chegou ao Palácio do Planalto, por duas vezes, como o presidente mais votado da história do Brasil; estão começando a compreender que um palhaço nordestino chegou à Câmara dos Deputados como o deputado federal mais bem votado em todo o país; estão começando, enfim, a compreender que um barraqueiro nordestino, filho carente teu, Piancó, chegou à Assembleia Legislativa da Paraíba como o deputado mais votado desse Estado, e, paradoxalmente, como o menos votado em ti!...

E muitos de teus pobres, Piancó, também já começam a compreender que, pacificamente unidos e conscientes do exercício da cidadania, bem podem instituir em ti a política da prosperidade e da justiça social.

Que Deus te ilumine e guarde, Piancó, em 2012, ano decerto convulsivo e turbulento para tua desencantada população, em que irás, inevitavelmente, enfrentar um inquietante dilema político: ou enveredarás pelos caminhos da Nova Administração Pública, potencializadora de teu desenvolvimento econômico e social, ou permanecerás indolentemente estagnado na tua repudiável política iníqua e excludente!...

domingo, 28 de agosto de 2011

ALTIVA DECISÃO DE PÁDUA LEITE: DA SEGURANÇA FINANCEIRA DEFINIDA PARA O APELO DA VOCAÇÃO PROFISSIONAL

Já formado em Direito, assistindo, certa vez, à missa, contrito, ele pediu a Deus que lhe desse a autodeterminação de firmar-se autonomamente como advogado, carreira para a qual se sentia deveras vocacionado. E, tão logo ao sair da igreja, surpreendeu-o sua mulher com a asseveração de ter ela sentido, durante aquela celebração, que ele era um predestinado para a advocacia.

Algum tempo depois, tendo, após fervorosa oração, adormecido num quarto próximo a outro onde já estavam dormindo sua mulher e filhos, pancadas cadenciadas na cabeceira da cama o fizeram despertar de súbito, aturdidamente. Tentando refazer-se do susto e do torpor da sonolência, olhou em volta, e não viu ninguém. Apenas o rádio, que deixara ligado, ao adormecer, transmitia-lhe músicas de um programa da madrugada. Confuso e atordoado, correu a ver se as pancadas procediam de um de seus filhos, mas, com espanto, percebeu que eles e a mãe dormiam placidamente. Voltando à cama, o rádio, imediatamente, lhe fez chegar aos ouvidos, com deliciosa nitidez, a canção Conquistando o Impossível, de Breno César e Solange de César, na voz da cantora Jamilly.

Posteriormente, com fervorosa devoção, ele fechou os olhos, tomou nas mãos convulsas a Bíblia, e, calcando-lhe com o polegar o corte da frente, abriu-a aleatoriamente. Detendo, a fito, o olhar sobre um trecho de uma das duas páginas que lhe surgiram à vista, deslumbrado, e invadido por efusiva sensação de vitória, leu: “Cada um permaneça na profissão em que foi chamado por Deus”.

Tão sublimes e determinantes palavras talvez constituíssem um desígnio divino para selar definitivamente uma decisão que o advogado Antônio de Pádua Pereira Leite, técnico judiciário do Tribunal Regional do Trabalho do Estado da Paraíba, vinha, havia já longo tempo, hesitando em tomar.

Mera coincidência, mística revelação, ou seja lá o que for, o certo é que aquele abrir, à sorte, a Bíblia, em ardorosa oração, pareceu ter mostrado a Pádua o que bem lhe poderia ser a resposta que ele buscava para decidir-se, de uma vez por todas, a deixar aquele tribunal, onde trabalhava desde 1992, e passar a exercer a advocacia em Piancó, seu torrão natal.

Resolutamente, em 27 de janeiro deste ano, Pádua pediu exoneração de seu cargo, e, embalado pela sensação de começar nova vida, abriu um escritório de advocacia em Piancó...

Mas... parece que o Tribunal Regional do Trabalho do Estado da Paraíba não quer perder o advogado Antônio de Pádua Pereira Leite, e, endossando-lhe a probidade, inteireza de caráter e idoneidade profissional, está tentando persuadi-lo a continuar no cargo...

Tocado, ao saírem da igreja, por aquela fremente afirmação de sua mulher, pelas inexplicáveis pancadas na cabeceira da cama e pela música Conquistando o Impossível, Pádua, convictamente crente de conter a Bíblia poderes insondáveis para a compreensão humana, somente alcançáveis pela fé, exultou pelo sinal que julgou ter-lhe sido dado por esse livro iluminado para o novo rumo de sua vida.

Entretanto, se forças invisíveis contribuírem para manter Pádua no cargo de técnico judiciário do Tribunal Regional do Trabalho do Estado da Paraíba, ficará, decerto, patente ao renomado advogado piancoense a comprovação de que, como tão severamente diz a Bíblia, “a sorte se lança no regaço, mas do Senhor procede toda a determinação”...


segunda-feira, 23 de maio de 2011

SALVIANO LEITE LEVA CHICO JÓ A RONALDO CUNHA LIMA: O MAGNÍFICO POETA IRMANA-SE COM O IDEALIZADOR DO MAIOR PROJETO TURÍSTICO DA PARAÍBA

“Contem comigo. Dou total apoio a esse projeto. Podem usar meu nome. Venha mais vezes aqui, Chico Jó. Venha com Chico César”, disse o venerável poeta Ronaldo Cunha Lima, ao tomar conhecimento do maior projeto turístico da Paraíba, concebido por Chico Jó: ROTEIRO TURÍSTICO DO ITINERÁRIO DA PASSAGEM DA COLUNA PRESTES NO SERTÃO PARAIBANO. Fascinado com a expressividade artística de Chico Jó, Ronaldo ofereceu-lhe, dia 12 deste mês, em seu escritório, em João Pessoa, um exemplar de seu último livro VELAS ENFUNADAS, e, dirigindo-se a seu íntimo e dileto amigo Salviano Leite, que levou Chico Jó até ele, pediu-lhe efusivamente: “Traga-me Chico Jó mais vezes aqui, Salviano”.



Entre os temas significativos para a criação do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável do Vale das Águas, do Sertão Paraibano, pretendido pelo servidor público piancoense Salviano Leite, destaca-se a Cultura. E, reconhecendo a obstinação de Chico Jó em prol da Cultura piancoense e paraibana, Salviano o convidou para gerir a Diretoria de Cultura daquele consórcio.

Conhecedor da deplorável realidade cultural de Piancó, onde o Poder Público, tradicionalmente preso ao corporativismo excludente, tanto tem frustrado inúmeros artistas, que bem poderiam ter-se realizado profissionalmente, Salviano Leite vê na determinação de Chico Jó uma perspectiva de ruptura desse vergonhoso quadro.

Ele acha que, quanto ao fato de dirigir a Diretoria de Cultura do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável do Vale das Águas, Chico Jó estaria para a promoção cultural dessa região como Chico César estaria para a promoção cultural da Paraíba É que, no entender de Salviano, ambos esses artistas são, antes de mais nada, verdadeiros revolucionários culturais, e, pois, capazes de mudanças, de transformações, de avanços.

Pensa também assim o insigne poeta Ronaldo Cunha Lima, a ponto de, percebendo nas concepções culturais de Chico Jó uma luminosa revolução, pedir-lhe que, ao voltar a visitá-lo, leve consigo o secretário estadual de Cultura Chico César. Com isso, Ronaldo pretende associar-se aos projetos desses dois artistas sertanejos para um novo e arrojado dinamismo cultural na Paraíba.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

CHICO CÉSAR GARANTE APOIO A ATORES DE DESENVOLVIMENTO DO SERTÃO PARAIBANO

O escritor e ativista cultural Chico Jó, o ambientalista José Filho e o servidor público Salviano Leite, idealizadores de relevantes projetos para o desenvolvimento do Vale do Piancó e do Sertão Paraibano, são recebidos pelo secretário estadual de Cultura Chico César, que assegura pleno apoio de sua pasta às ações desses atuantes empreendedores piancoenses.



Unidos pelo empenho de buscar novas oportunidades e alternativas de desenvolvimento para o Vale do Piancó e o Sertão Paraibano, Chico Jó, José Filho e Salviano Leite mantiveram contato com várias entidades e personalidades de João Pessoa, na primeira quinzena deste mês.

Em visita ao secretário de Cultura Chico César, dia cinco, os três piancoenses expuseram-lhe importantes iniciativas progressistas para o Sertão. Chico Jó, idealizador do Roteiro Turístico do Itinerário da Coluna Prestes no Sertão Paraibano e da Zona Turística da Coluna Prestes no Sertão Paraibano, ficou de encontrar-se oportunamente com o secretário para tratar com ele de certos aspectos desses projetos. José Filho, presidente da ONG SOS RIO PIANCÓ, que, recentemente, havia enviado, em nome dessa associação ambientalista, um requerimento ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep), que solicitava a esse instituto o tombamento imaterial da Zona da Passagem da Coluna Prestes na Paraíba, pediu ao secretário, mediante requerimento, que intercedesse em favor do aludido tombamento. Por sua vez, Salviano Leite, pleiteante do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável do Vale das Águas, no Sertão Paraibano, do qual será o vice-presidente, salientou a Chico César a importância desse consórcio e, particularmente, de sua Diretoria de Cultura, que será regida por Chico Jó.

Confraternizando-se afavelmente com eles, o renomado cantor assegurou que sua secretaria estava pronta a colaborar em tudo o que pudesse contribuir para o êxito dos empreendimentos que lhe foram expostos.

O escritor José Otávio, colaborador de Chico César, também assegurou seu empenho em prol das pretensões de desenvolvimento de Chico Jó, José Filho e Salviano Leite.

Graças à notável credibilidade e intimidade de Salviano Leite nos mais diversos segmentos públicos e sociais de João Pessoa, Chico Jó e José Filho conseguiram vantajosos apoios para seus empreendimentos, a exemplo da preciosa parceria do consagrado cantor e secretário de Estado Chico César.


sábado, 30 de abril de 2011

PIANCÓ E ALGUMAS DE SUAS POSSÍVEIS MANIFESTAÇÕES DA MALDIÇÃO DO FRADE...

O que melhor evidencia o secular atraso de Piancó é sua própria idade: 263 anos bem que lhe têm sido tempo demais para fazê-lo crescer e desenvolver-se. Se até agora não o conseguiu, fica patente faltar-lhe vocação para o progresso, e a culpa tanto é de seu povo quanto de seus representantes. Velho, ultrapassado e profundamente atrelado a seu repulsivo clientelismo político, cínico e nojento, que tanto lhe tem embaraçado a evolução, Piancó simplesmente caminha para a aniquilação de sua identidade. E de tudo isso decorre, ante a História, uma comprometedora implicação para os que aqui vivem: quem não luta pelo resgate da dignidade e do desenvolvimento de Piancó é indigno dessa sucumbida terra...





Há qualquer coisa de estranho e inexplicável, que parece avassalar implacavelmente o espírito dos que nada fazem pelo bem comum de Piancó, dos que se revelam como que cegos para ver, surdos para ouvir, mudos para falar, quando se trata de lutar por um Piancó melhor.

Contam que certo frade, há já talvez mais de um século, difamado por pessoas sórdidas de Piancó, apressou-se em sair daqui. Ao fazê-lo, voltando-se de frente para o então pequeno lugarejo, teria o religioso sacudido o pó de suas sandálias, em sinal de protesto contra a infâmia de maldosos caluniadores que aqui lhe haviam tentado macular a reputação, e, indignado, teria ele dito, imprecativamente, entre outras coisas: “Esta terra será ilha de macacos, haverá de crescer como correia no fogo”...

Se os caluniadores do frade não lhe levaram a sério a maldição, o mesmo, porém, não se deu com os fieis seguidores daquele humilde pregador itinerante. É que eles passaram a crer, convictamente, não evoluir Piancó por ter sido praguejado por um ministro de Deus. E essa crença vem inquietando o espírito de muitos até hoje. Há até pessoas que saíram daqui por causa dela. Repassada de geração em geração, tornou-se um mito emblemático do subdesenvolvimento de Piancó. Mas ainda bem que há os que insistem em quebrar essa maldição...

Pode não se ter cumprido a maldição do frade, mas que dá, pelo atraso de Piancó, para desconfiar dela, ah, isso dá!...

Bastam alguns exemplos.

Os pobres de Piancó têm lá suas razões para pensar na maldição do frade. Sem oportunidade nenhuma de geração de renda sustentável, excluídos da produção, incapazes e impedidos de empreender, eles nada mais são que vítimas permanentes de uma perversa recessão financeira resultante do conservadorismo político iníquo e maldito daqui, bem merecedor que é da maldição do frade... ou que talvez até seja instrumento dela... Conservadorismo político que se mantém fechado em seus vis interesses de mando e manipulação, sem esboçar providência nenhuma de promoção humana.

Nenhum horizonte de crescimento pessoal, de produtividade, de prosperidade para os pobres de Piancó. Nada fizeram por eles... Nada absolutamente nada... E, passiva e estupidamente, eles continuam aceitando tudo isso... Só mesmo a maldição do frade para justificar tamanha indiferença, tamanha indignidade, tamanha covardia... Tantos covardemente submetidos a tão poucos...

Inúmeros adolescentes já tiveram, carentemente, de partir daqui, e tantos outros continuam partindo (a redução da população de Piancó mostra bem isso)... por lhes faltar oportunidade de trabalho, ou, dizendo com mais justeza, por lhes negarem oportunidade de trabalho... Sim, repita-se enfaticamente: por lhes negarem oportunidade de trabalho... Ou, dizendo isso com mais severidade ainda: por lhes negar a burguesia de Piancó a mínima condição financeira para que eles permanecessem em sua terra natal... da qual não queriam sair, e onde sonhavam prosperar e ser felizes...


E, nesse quadro de crônica injustiça social da burguesia de Piancó, sobressaem, ridiculamente, os mais culpados e responsáveis por esse humilhante êxodo da juventude e por todas as omissões provocadoras de subdesenvolvimento: CERTOS POLÍTICOS... E muito mais ainda sobressaem os mais culpados e responsáveis por essa culpa e responsabilidade dos políticos: CERTOS ELEITORES...

CERTOS POLÍTICOS E CERTOS ELEITORES, eis talvez os mais hábeis executores da maldição do frade sobre Piancó... Também não é para menos: o que eles vêm fazendo aqui é sobejamente suficiente para levar muita gente a crer nessa sinistra possibilidade...

Se a maldição do frade realmente se cumpriu por meio da política, só há uma saída para Piancó: encontrar CERTOS POLÍTICOS e CERTOS ELEITORES que quebrem essa maldição... Quem dera Piancó os encontre em 2012!...

domingo, 20 de março de 2011

EDVALDO LEITE DE CALDAS E DIRIGENTES DA SOS RIO PIANCÓ PROPÔEM INOVADOR PACTO DESENVOLVIMENTISTA PARA O VALE DAS ÁGUAS

O ex-prefeito de Piancó e presidente do FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS, Edvaldo Leite de Caldas, em parceria com José Rodrigues Filho e Chico Jó, respectivamente presidente e vice-presidente da SOS RIO PIANCÓ, concebeu o FÓRUM DESENVOLVER, movimento de discussão e debate que integra a população e seus representantes num construtivo pacto de articulação e cooperação sócio-política, fortalecedor dos processos de interlocução e colaboração mútua e essencial para
o desenvolvimento sustentável da
REGIÃO DO VALE DAS ÁGUAS.

A região turisticamente denominada VALE DAS ÁGUAS, no Sertão Paraibano, compreende os seguintes 31 municípios: Aguiar, Boa Ventura, Catingueira, Conceição, Coremas, Curral Velho, Diamante, Emas, Ibiara, Igaracy, Itaporanga, Nova Olinda, Olho d´Água, Pedra Branca, Piancó, Santa Inês, Santana de Mangueira, Santana dos Garrotes, São José de Caiana, Serra Grande, Água Branca, Bonito de Santa Fé, Carrapateira, Imaculada, Juru, Manaíra, Monte Horebe, Princesa Isabel, São José de Piranhas, São José de Princesa e Tavares. Desses, os 20 primeiros constituem o VALE DO PIANCÓ. Dos 272.519 habitantes da REGIÃO DO VALE DAS ÁGUAS, 210.958 correspondem a seu eleitorado.

Com rica diversidade social, econômica, cultural e ambiental, mas tradicionalmente carente de políticas públicas que lhe assegurem redução de suas crônicas desigualdades, a REGIÃO DO VALE DAS ÁGUAS, motivada pelo dinamismo do FÓRUM DESENVOLVER, até que enfim ergueu-se da inércia, e passou a adotar uma nova postura para reivindicar, em prol de seu desenvolvimento sustentável, ações solidárias conjuntas dos políticos nela sufragados.

Síntese Descritiva do FÓRUM DESENVOLVER - Movimento de Discussão do Desenvolvimento Sustentável do Vale do Piancó e dos demais Municípios do Fórum de Turismo do Vale das Águas

O FÓRUM DESENVOLVER, fundamentado no princípio de que turismo tem conexão com todas as áreas do desenvolvimento econômico e social, constitui um movimento de discussão regido pelo FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS, situado na cidade de Itaporanga, e debate a busca de soluções urgentes de problemas cruciais do VALE DO PIANCÓ e dos demais municípios integrantes desse Fórum de Turismo. Além disso, suscita a criação de um PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DA REGIÃO DO FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS. A gestão do FÓRUM DESENVOLVER é conexa à própria direção do FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS.

AGREGAÇÃO
Mobilizar, congregar e sensibilizar a Sociedade e o Poder Público de todos os municípios do VALE DO PIANCÓ e dos demais municípios do FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS para debater com políticos votados nessa região a solução das demandas e problemas que a atingem.

Para o objetivo agregador, motivador e institucional do FÓRUM DESENVOLVER, a área compreendida pelo VALE DO PIANCÓ e demais municípios que integram o FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS passa a denominar-se REGIÃO DO FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS.

IDEOLOGIA
Incutir compreensão solidária e comunhão de esforços entre a Sociedade e o Poder Público, nos níveis municipal, estadual e federal. Estabelecer um diálogo cooperativo entre governantes e governados nas tomadas de decisões para o desenvolvimento da REGIÃO DO FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS. Formar Grupos Articuladores, representantes do FÓRUM DESENVOLVER, na Assembleia Legislativa da Paraíba e na Bancada Paraibana no Congresso Nacional, a fim não só de movê-los a defender os interesses coletivos da REGIÃO DO FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS, mas também de inspirar-lhes um novo sentimento de união e coesão nas ações político-parlamentares em prol da Paraíba.

CONTEXTUALIZAÇÃO
Da análise, por exemplo, de setores como saneamento, educação, saúde, rodovias, distribuição de renda e desenvolvimento humano depreende-se um degradante contexto de significativa parte da população sem acesso aos serviços sociais básicos.

Tais carências dessa região, relegada em muitos aspectos à indiferença do Poder Público, têm contribuído para reforçar os laços de solidariedade territorial de sua população, e constituem o fator motivador da criação do FÓRUM DESENVOLVER.

Importa notar que nessa área está situado o maior reservatório hídrico do Estado da Paraíba: o Complexo Coremas-Mãe d’Água, ironicamente relegado ao descaso econômico.

Outro fato deplorável que chama a atenção para o subdesenvolvimento dessa região é ela não dispor ainda de ensino superior nem de políticas públicas de turismo.

OBJETIVOS GERAIS
Debater os problemas e definir as prioridades para o desenvolvimento sustentável da REGIÃO DO FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Dentre outros, consideram-se temas prementes, que requerem discussão e solução urgentes, os seguintes:

Campus da UFCG para Itaporanga
Campus da UEPB para Piancó
Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio Piancó
UTI do Hospital de Piancó
UTI do Hospital de Itaporanga
Agricultura Orgânica
Programa Minha Casa, Minha Vida
Empreendedorismo Rural
Conscientização Ambiental
Qualificação Turística
Programa Empreendedor Individual
Asfaltamento de Estradas
Telefonia Móvel Celular
Posto da Previdência Social, em Piancó
Política de Educação Ambiental
Regionalização do Turismo
Fomento ao Turismo Comunitário
Saneamento Ambiental
Segurança Pública
Arranjos Produtivos Locais
Preservação Ambiental
Cooperativismo
Delegacia da Mulher
Conselhos Municipais da Juventude
Conselhos Municipais dos Idosos
Conselhos Municipais da Mulher
Conselhos Tutelares
Estratégias de Combate à Pobreza e Exclusão
Inclusão Digital
Centro Comunitário Frei Damião, de Piancó

METODOLOGIA
Mobilizar e sensibilizar a Sociedade e o Poder Público mediante os meios de comunicação de massa, e por intermédio de outros recursos, para ações interativas que tratem da identificação dos problemas cruciais da REGIÃO DO FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS.

Persuadir a população a cobrar o empenho e compromisso dos políticos votados nessa região para a solução das demandas e problemas que a envolvem.

Para efeito da efetivação das atividades do FÓRUM DESENVOLVER, formar um Grupo Articulador constituído pelos deputados estaduais WILSON LEITE BRAGA (PMDB), BRANCO MENDES (DEM) e TOINHO DO SOPÃO (PTN), por serem naturais do VALE DO PIANCÓ, e pelo deputado ANTÔNIO MINERAL (PSDB), por ser o incentivador da ONG SOS RIO PIANCÓ. Esse grupo representará o FÓRUM DESENVOLVER na Assembleia Legislativa do Estado da Paraíba, e se articulará, dentre os demais, especialmente com os deputados mais votados no VALE DO PIANCÓ (e, extensivamente, na REGIÃO DO VALE DAS ÁGUAS), para as reivindicações da REGIÃO DO FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS.

Igualmente, no âmbito federal, formar um Grupo Articulador constituído pelos deputados federais HUGO MOTTA (PMDB), WILSON FILHO (PMDB), WELLINGTON ROBERTO (PR), RUY CARNEIRO (PSDB) e AGUINALDO RIBEIRO (PP), os quais, por serem os cinco mais votados na REGIÃO DO VALE DAS ÁGUAS, e como representantes do FÓRUM DESENVOLVER, se articularão com seus demais pares e com os senadores da Bancada da Paraíba no Congresso Nacional, em prol das pretensões da coletividade da REGIÃO DO FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS.

RESULTADO
Integração sócio-política geradora de soluções solidárias para o desenvolvimento sustentável da REGIÃO DO FÓRUM DE TURISMO DO VALE DAS ÁGUAS. Ampliação da densidade eleitoral dos políticos contribuintes para tais soluções. Promoção de uma nova consciência para o debate do desenvolvimento sustentável da Paraíba.

POLÍTICOS INTEGRADOS AO FÓRUM DESENVOLVER E SUA VOTAÇÃO NAS ELEIÇÕES DE 2010 NO VALE DAS ÁGUAS

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

FLÁVIA GALDINO APROXIMA-SE DE UMA ENCRUZILHADA

Detentora de forte liderança, populistamente conquistada à custa de seus méritos pessoais, no venal e fragilizado contexto político de Piancó, a prefeita Flávia Galdino vê-se diante do embaraçoso problema de apoiar seu sucessor em 2012. Decisivamente, Flávia precisa assegurar a certeza de manter, no novo governo do sucessor que ela apoiar, a continuação de sua influência política e densidade eleitoral, a fim de que tenha plausível possibilidade de voltar ao poder ou nele colocar seu filho Daniel Galdino.

A edição de 19 deste mês do Programa Falando Sério, da Rádio Comunitária Nativa de Piancó, chamou a atenção da coletividade, tanto pelo desempenho quanto pelo conteúdo. Pelo desempenho, por ter sido desenvoltamente apresentado por três competentes profissionais, dignos de nota: Esmaildo Pereira, Norton Júnior e Reginaldo Rosa Show, que deram àquela apresentação um tom dialogal eminentemente atraente para prender a atenção dos ouvintes. Pelo conteúdo, por ter tido como tema a análise do perfil de prováveis candidatos a prefeito de Piancó, em 2012. Candidatos a prefeito deste decaído Piancó, que respira política todos os dias (como bem enfatizaram os mencionados apresentadores), mas – infeliz e vergonhosamente – não respira progresso nem cidadania dia nenhum.

Importa, porém. notar que, se, por um lado, Esmaildo, Norton e Reginaldo demonstraram apreciável ponderação crítica em suas bem articuladas apreciações sobre Antônio Dantas, André Galdino, Cristiane Remígio, Paulo Barbosa, Edvaldo Leite de Caldas, Remígio Júnior, Gil Galdino e Sales Lima, por outro, claudicaram em alguns pontos. Julgaram, por exemplo, não haver possibilidade de composição política entre Flávia e Edvaldo; consideraram insensata a alusão de certo blog a possível apoio de Flávia a seu primo André Galdino; acharam haver a oposição jogado Gil Galdino contra Flávia. Só resta, contudo, respeitar a opinião dos expressivos apresentadores. Questão de subjetividade. Cada cabeça, uma sentença.

Mas aquele garrido Falando Sério, por eles tão entusiasticamente levado a efeito, teve estrondosa repercussão, e fez recrudescer um assunto que, há já algum tempo, vêm sendo amiudadamente comentado pela opinião pública de Piancó, e poderá ter reflexos surpreendentes nas eleições de 2012 desse indolentemente manipulado município.

É que, no jogo de interesses políticos deste Piancó que respira política todos os dias (e já está sendo asfixiado por isso!...), não só se fala em apoio a candidatos, pura e simplesmente: fala-se também nas consequências que tais apoios poderão ter, consequências sobre as quais, para uma líder autêntica como Flávia, muito convém ponderar. Quanto a isso, ressalte-se este palpitante assunto eleitoral comentado no momento em Piancó, não só nos bastidores políticos, mas pela maior parte da população:

A prefeita Flávia Galdino apoiará a vereadora Cristiane Remígio para sua sucessora em 2012, uma vez que, se eleita, Cristiane disporá de aparato humano, material e logístico suficiente para, na hipótese de um rompimento com Flávia, fazer-lhe frente na Saúde ou em quaisquer outros aspectos, e, consequentemente, impedir-lhe a preponderância política e eleitoral?

Nem é preciso alongar-se para comprovar tal inquietante possibilidade para Flávia. Basta apenas lembrar que, no campo da Saúde, Cristiane dispõe de dois expoentes: Dr. Geneton Carvalho e Dr. Zezito Remígio, médicos conceituados e estimados por Piancó, e que, pelo seu profissionalismo e tino político, bem poderão, fortalecidos no governo de Cristiane, suplantar a liderança política de Flávia na Saúde.

No campo político, além da densidade eleitoral da família Remígio, Cristiane (dotada, tal qual Flávia, de cativante carisma e expressividade) é irmã do advogado Remígio Júnior, que ora é tido por muitos como o mais arguto articulador político de Piancó.

É óbvio que, de todos os vultos, dentre os quais Flavia poderá apoiar um para seu sucessor, só Cristiane, como prefeita, disporá de elementos potencialmente preocupantes para comprometer-lhe a asseguração da liderança na Saúde de Piancó. Afinal, essa liderança constitui o pedestal político de Flávia, e ela tem de precaver-se muito em mantê-la, se quiser, por exemplo, lançar (como já se comenta) seu filho Daniel Galdino a prefeito de Piancó, em 2016.

Mas a população está comentando também outro assunto não menos palpitante no concernente ao apoio de Flávia Galdino a seu sucessor:

Só há duas pessoas (o povo piancoense sabe sobejamente disso) em quem Flávia confia cegamente, para, no caso de uma delas assumir o Poder Executivo de Piancó, não lhe tolher os objetivos políticos: a vereadora Francisca de Paula e o vereador Antônio Leite...

No imprevisível e corroído cenário político de Piancó, pleno de ardilosas dissensões e reconciliações, onde tanto se tem comprovado que “a mão que afaga é a mesma que apedreja”, e onde Flávia consolidou, por si própria, uma liderança que tanto lhe exige sagacidade, é bem natural que ela se imponha para assegurar-se dessa liderança no governo subsequente ao seu... Não admira, portanto, que um desses dois venha a ser seu sucessor...

A população de Piancó é soberana para conjecturar seus assuntos políticos, e os pretensos candidatos devem ter muito cuidado com as consequências das reflexões da população... Elas poderão provocar muitas surpresas...

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

MAIS LUZ PARA DISSIPAR A OBSCURIDADE POLÍTICA DE PIANCÓ!...

Pois eis que já se esvai a primeira década do Século 21, e em Piancó quase nem se chega a dar por isso!... Quase nem se chega aqui a perceber quão significativo para a humanidade tem sido esse alvorecer da Era do Conhecimento, da Pós-Modernidade... Significativo para o corpo e para o espírito... significativo para a inteligência e para a ciência... significativo para a terra e para a vida...

Mas, indiferente a tudo isso e à deriva da racionalidade política, Piancó vagueia no revolto oceano do clientelismo, da subserviência, da indignidade, sem rumo, sem objetividade, sem referência... Vagueia, e debate-se, alheado, perdido, sem ter quem lhe aponte o norte da cidadania altiva libertária e da dignificação democrática.

Apaticamente, Piancó não tem demonstrado senso algum de percepção da contemporaneidade, e fecha-se em si mesmo, num conservadorismo grotesco e ridículo, que tanto confirma a mediocridade espiritual deste desvalido, porém amável, torrão sertanejo.

Carente de visão holística, que o mova à elevação interior e à solidariedade econômica, Piancó simplesmente vegeta na exploração neoliberal, e não avança nem se desenvolve. Não se supera, não evolui. Entorpecido pelo tédio existencial consequente de sua falta de perspectiva desenvolvimentista, Piancó simplesmente se imobiliza numa inércia intelectual que o incapacita de progredir.

A quem não conheça Piancó tais afirmações até podem parecer contundentes, levianas e ferinas, mas basta um superficial exame da realidade deste vetusto município para inferir sua decadência.

Não se fala aqui, comunitariamente, em desenvolvimento, porque falta espírito coletivo. Não existem aqui ações cooperativistas impulsionadoras, porque um crônico individualismo as impede. Não se discutem aqui projetos de mudança, de avanço, de evolução, porque há carência de coesão social renovadora.

E esse lamentável quadro demonstra claramente uma evidência inquestionável: Falta em Piancó um líder político revolucionário, capaz de libertar essa terra de tamanha decadência, de implantar aqui uma governabilidade progressista e desvinculada do abominável fisiologismo que tem feito dela triste exemplo de deturpação político-administartiva... Um líder capaz de incutir no povo uma nova consciência de probidade pública, de fomentar com austeridade o progresso, e, consequentemente, demover os pobres do mercantilismo eleitoral.

Vários nomes já estão em evidência para a disputa pelo Poder Executivo de Piancó em 2012. Queira Deus que esse líder, revolucionário e libertador, que falta em Piancó, desponte entre eles, e toque a inteligência, a alma e o coração das pessoas... e se eleja!...

MAIS LUZ PARA PIANCÓ ELEGER SEU LIBERTADOR!...

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

A ENIGMÁTICA E CONTROVERSA SUPERSTAR DA POLÍTICA DE PIANCÓ


Se traçar um perfil da pertinaz prefeita de Piancó, Flávia Serra Galdino, em situação normal, já é difícil, mesmo para os que a conhecem muito bem de perto, mais difícil se torna descrevê-la neste clima de euforia e vitória que ora a envolve, e em que ela se consagra como a personalidade política mais poderosa e influente de Piancó, no final desta primeira década do Século 21.

É que não se sabe o que se lhe passa pela cabeça, e, conhecendo-se a peculiar imprevisibilidade de muitas de suas reações, chega-se facilmente à conclusão de que descrevê-la neste momento poderá tornar-se muito mais difícil ainda.

Até para os mais íntimos é trabalhoso penetrar em todos os pormenores que possam facultar uma compreensão mais clara dos meandros da personalidade de Flávia. Algo de enigmático nela se confunde com seus dotes poderosamente influentes e com sua espantosa habilidade no trato pessoal. Tal dualidade a trona ao mesmo tempo esquisita e cativante, o que lhe tem dado inúmeras vantagens em sua luta para convencer e impressionar as pessoas, muito especialmente o eleitorado de Piancó.

Olhar Flávia, ver Flávia, compreender Flávia é um custoso exercício de penetração em coisas que ora parecem compreensíveis, ora enigmáticas, e que chegam a sensibilizar profundamente tanta gente em Piancó...

Alguns concebem Flávia como uma interrogação... um enigma... um mistério... Mistério que tanto tem inquietado e desconcertado a conservadora e estagnada política de Piancó. Não é novidade alguma ouvir alguém dizer aqui que não se sabe que mistério é esse que Flávia tem... Mas os que a veneram como “guerreira” sabem muito bem que mistério é...

Por mais esforço que se faça para compreender Flávia, mais se descobrem nela interrogativas singularidades que a diferenciam do comum de grande parte das mulheres. Além de seu natural carisma, teatraliza, quando lhe convém, situações pessoais, com tal mestria, que ilude até mesmo os que têm pleno conhecimento de suas geniais e artísticas simulações.

Mas, extremamente sensível, também se rende facilmente à meiguice e ternura dos que a rodeiam... e se confunde com os pobres... com os excluídos... com os discriminados... com os carentes de reconhecimento e afeto... e os seduz... e os avassala... e os domina...
Há, porventura, em Piancó outro vulto político que proceda assim, ou seja, que se identifique com tanta intimidade principalmente com os menos favorecidos... e que lhes conheça as necessidades... as fraquezas... as dores... e que os conquiste.. hipnotize.... e domine?...

Os que conheceram Flávia criança falam de admiráveis manifestações de sua vivacidade intelectual e astúcia, a ponto de, por exemplo, chegar ao engenhoso artifício de, sem sequer saber ainda as primeiras letras, deitar-se de bruços no solo, saracoteando, diante de um livro, cujos textos fingia ler, cadenciadamente, dizendo coisas, a seu pensar e com tal graça e fluência, que deixavam perplexos e deslumbrados os que com isso passavam a acreditar já saber ela ler tão bem e tão precocemente.
E que dizer de tamanha astúcia na política?...

E, à medida que o tempo foi passando, a inteligência e vivacidade (e também a impulsividade) de Flávia foram denunciando a que ponto sua potencialidade pessoal iria chegar. Foi sempre autêntica, senhora de si mesma, obstinada em seus propósitos, teimosa, irredutível por vezes, indomável até... e inflexivelmente aguerrida...

Esse traço caracteristicamente combativo do complexo e multifacetado caráter de Flávia despontou muito cedo. Já na infância, deu ela sinal evidente de que não cederia facilmente a pressões nem a nada que a contrariasse, e, tampouco, deixaria de revidar, a qualquer custo, a quem se lhe opusesse. Dizem que ela sempre procurava sobressair em tudo o que lhe dissesse respeito, e persistia insistentemente em impor suas opiniões.

Na universidade, sua inteligência fecunda e maleabilidade verbal indicaram vibrantemente suas potencialidades na medicina e no manejo da persuasão social. Iniciava-se, assim, a profissional competente e a líder influente, que predominaria no seio popular de Piancó como a “doutora”, a
“guerreira”...

Flávia (tal qual Hitler) é o tipo perfeito dos que não admitem ser contrariados em seus propósitos, e cujo vulto sobranceiro (quando os ventos das circunstâncias lhe sopram a favor, como é o caso do que ora lhe ocorre politicamente em Piancó) tanto inibe e dissuade seus mais intransigentes adversários, quanto fascina e arrebata seus entusiasmados seguidores... Seguidores que, impressionados, cada vez mais lhe demonstram temor, admiração e confiança... Sim, exatamente isso, sem tirar nem pôr: temor, admiração e confiança... temor, por lhe temerem a força do poder; admiração, por lhe venerarem a audácia e ousadia; confiança, por a terem como sua imbatível “guerreira”... A quem duvidar de tudo isso basta atentar para o que aconteceu em Piancó nessas eleições de 2010, e, com toda a certeza, se lhe desfará imediatamente o ledo engano...

De mente aberta e brilhante para assimilar conceitos e conteúdos, Flávia se distinguiu nos estudos, mostrando seu considerável e potente talento para apreender conhecimentos e aptidões, e, sobretudo, para visualizar situações e agir com prontidão. Tais fatores foram decisivos para sua proeminência pública na saúde e revolucionária dinamização na política de Piancó.

Fica, pois, bem evidente que Flávia deve mais a si própria que aos outros sua projeção profissional e política. Por isso mesmo é que ela se revela tão segura de seu potencial interior, tão ousada em suas decisões (temerárias, muitas vezes), tão audaz em se fazer impor...

Embora, de quando em quando, costume levar tudo de afogadilho, sem se preocupar com pormenores organizacionais (e isso se tem visto em sua gestão executiva municipal), Flávia é de uma capacidade cognitiva e operacional incomum. Assenhoreia-se de qualquer assunto com facilidade e rapidez incríveis. Torna-se especialista em qualquer tema em muito pouco tempo, quando quer.

Em suas investidas em busca do SAMU e de outros serviços de saúde para Piancó, esses predicados lhe valeram muito, pois lhe fortaleceram o vigor e a perseverança de bater-se contra as dificuldades que lhe surgiram no caminho, ou, dizendo melhor, que lhe surgiram em Piancó, na região e em Brasília...
Convém lembrar que, por mais incrível que pareça, Flávia chegou a enfrentar certas dificuldades e empecilhos em Piancó para a implantação do SAMU, pelo qual ela tanto se havia esforçado...

Hesitante, a princípio, em entrar na política, talvez por não se sentir com pendor para a vida pública, ou para não comprometer sua carreira médica, Flávia acabou por ceder ao apelo de seu pai Gil Galdino para sucedê-lo no poder. E, de repente, a meiga e carinhosa pediatra, tão dedicada a cuidar das crianças, ergueu-se, impetuosamente, com intimidadora altivez, e passou a combater ferrenhamente seus adversários, numa luta sem tréguas e cada vez mais tenaz contra os que se interpunham em sua ambiciosa trajetória para a preponderância política em Piancó.

Transpondo o maior obstáculo

Convicta de suas habilidades pessoais, e percebendo claramente as fragilidades do conservador modo de fazer política de Piancó, Flávia determinou-se a tirar de cena seu adversário mais poderoso: Edvaldo Leite de Caldas, cuja liderança o levara a vários mandatos de prefeito e a firmar-se como respeitável cacique político.

Arrebatando o poder a Edvaldo, Flávia salientou-se rapidamente. O próprio fato de sobrepujá-lo, associado ao intensivo bombardeio retórico que ela, astutamente, passou a desfechar sobre a população piancoense, acabou por consagrá-la como imbatível. E logo a rotularam de “guerreira”, denominação extremamente insinuante, que lhe trouxe imediato prestígio popular. Tanto se arraigou no sentimento dos admiradores de Flávia esse epíteto, que eles o ampliaram para “nossa guerreira”, o que constitui inequívoca evidência do vínculo afetivo estabelecido entre ela e a população. Vínculo que a medicina e a saúde dadivosamente lhe ofertaram como fundamento para sua elevação na profissão e na política.

Dissuadindo o Terror dos Corruptos

Num breve relancear de olhos pelos últimos acontecimentos políticos de Piancó, facilmente se percebe quanto nossa política sofreu transformações, positivas umas, negativas outras, as quais, em vez de nos fazerem evoluir para o consenso e solidariedade, levaram-nos à apreensão, incerteza e intranquilidade... e nos deixaram atônitos, constrangidos e decepcionados..

O vereador petista Antônio de Pádua Pereira Leite, autointitulado o Terror dos Corruptos, o Vereador de Lula, tem-se contrariado na convulsão política em que Piancó mergulhou. Convulsão provocada pela torrente das extremadas paixões político-partidárias, típicas de nosso secular clientelismo, e por ações e atitudes do próprio vereador Pádua, as quais – frustrantes, infelizmente, para ele – não têm correspondido aos resultados esperados por esse combativo (mas também impulsivo) militante do PT.

Obstinadamente (há quem diga obsessivamente) o vereador Pádua – no seu afã de fiscalizar a gestão pública de Flávia – escarafunchou tudo quanto pudesse conspirar contra a administração dela, e tornou-se frontalmente (como se depreende de seu site Pádua Leite.com e de outros meios de divulgação) o maior antagonista político da igualmente combativa (mas também impulsiva) governante de Piancó.

Mas, verdade seja dita, pelo menos num ponto Pádua declinou de sua prerrogativa de fiscalizar a gestão da prefeita Flávia (é o que se comenta em Piancó e mostram as evidências), pois passou a usar de expressões impróprias, que, por mais culpada fosse Flávia, não lhe deveriam ser dirigidas publicamente...

Por força da proximidade sentimental do advogado Remígio Júnior a Flávia, também acabou ele por envolver-se com o conflito entre ela e Pádua. Por sua vez, também o jovem Daniel Galdino, filho de Flávia, não pôde escapar de ser colhido por esse indesejável impasse. E ambos, melindrados, passaram a antagonizar-se com Pádua...
A razão parlamentar do vereador Pádua contra a razão afetiva de Remígio Júnior e a razão filial de Daniel Galdino. Razões do coração, que a própria razão desconhece...

O certo, porém, é que a maneira acre e contundente como Pádua tem combatido Flávia não poderia trazer os resultados pretendidos por esse resoluto petista.
Movido pela imoderação e impulsividade, ele simplesmente extrapolou os limites da ponderação e sensatez, e disse o que não deveria dizer... Feriu susceptibilidades, gerou antagonismos, provocou ressentimentos...

No fiscalizar o governo de Flávia, deveria Pádua tê-lo feito moderadamente, com equilíbrio emocional, com prudência, ou, mais rigorosamente falando, com sabedoria...

Quanto a falhas administrativas de Flávia não vinha absolutamente ao caso ir Pádua além do permitido pela ética, e dirigir-se ofensivamente a ela. É o caso, por exemplo, de haver ele dito na Rádio Cidade local, quando recentemente lá esteve a tratar de sua decisão de permanecer no mandato de vereador (ao qual estavam insinuando querer ele renunciar), que não descansaria enquanto não prendesse Flávia... Afirmação sem dúvida pretensiosa, que naturalmente haveria de provocar aversão não só em Flávia, Daniel Galdino, Remígio Júnior, mas também em parentes deles e em pessoas que lhes são próximas...
Que Pádua, inteligente como é, se convença de que é natural e consequente a reação advinda de tudo isso...

Friamente indiferente aos ataques de Pádua, apesar da espantosa quantidade de processos que ele lhe tem movido na Justiça, por improbidade administrativa, Flávia desdenhosamente atribui ter Pádua fixação na pessoa dela, a ponto de seu nome predominar nos pronunciamentos desse persistente vereador.

Mas Flávia não para por aí, e vai mais longe: oferece ajuda psiquiátrica (note-se bem: PSIQUIÁTRICA!!!...) a Pádua... e conquista o apoio do vereador oposicionista José Bráulio de Souza Júnior (Dr. Rato), do PTB... e tira, assim, a maioria da oposição na Câmara, de cuja Mesa Diretora assegura, com isso, a reeleição... e induz que melhor seria Pádua renunciar ao mandato, pois seu discurso perdeu o sentido... e leva muita gente a acreditar ser essa a melhor saída para ele (até mesmo seguidores e familiares de Pádua já pensam assim)...

No ápice do poder

Rompendo com o conservadorismo de seu pai, e obstruindo-lhe a liderança política, Flávia, indiferentemente à reação da população, lançou em Piancó
seu “novo modelo” de governar, cuja principal característica consiste no mínimo possível de seu comparecimento à Prefeitura.

Barrando certas ingerências de Gil Galdino, deixou Flávia bem clara sua inflexibilidade ante o próprio pai e ante seja lá quem for...

Meticulosamente, passou ela a observar os pontos fracos do procedimento político de Edvaldo atualmente. Percebeu que ele se mantinha estranhamente calado em situações em que sua palavra bem poderia gerar tendências na população, como, por exemplo, no tocante à maçante questão da UTI do Hospital de Piancó. Aproveitando-se do silêncio de Edvaldo, que o deixava de certa forma afastado das discussões dos problemas da sociedade,
Flávia usou de todos os seus dons oratórios e de sua espetaculosidade para se fazer ver (incrível: até na Prefeitura!...), ouvir e impressionar...

Se alguém tiver dúvida sobre se tal atitude de Flávia deu resultado, é só analisar o interessante resultado que ela obteve nas eleições de outubro passado: A MAIS PODEROSA E INFLUENTE PERSONALIDADE POLÍTICA DE PIANCÓ!... Quem quiser comprovar ou desmentir isso pergunte à população...

E, extasiados, dizem os admiradores (e até adversários) de Flávia: Em Brasília: poderosa e influente no Congresso Nacional; em João Pessoa: poderosa e influente na Assembleia Legislativa e no Palácio da Redenção (mas aqui muitos dizem que nem tanto, porque – admitem eles – a linha política do governador Ricardo Coutinho não se coaduna com a de Flávia...)... Em Piancó: poderosa e influente na Prefeitura e na Câmara (mas aqui comentam que também nem tanto, pois acredita-se que a oposição sonha em trazer o vereador Dr. Rato de volta...)...
Eis FLÁVIA GALDINO: A MAIS PODEROSA E INFLUENTE PERSONALIDADE POLÍTICA DE PIANCÓ!... Mas... POR MUITO OU POR POUCO TEMPO?...

Se de Flávia depende muito a resposta, da oposição depende muito mais ainda...

terça-feira, 28 de setembro de 2010

FILHO DE LUÍS CARLOS PRESTES IRRADIA CULTURA PARA A PARAÍBA, E SOLIDARIZA-SE COM CHICO JÓ E COM OUTRAS PERSONALIDADES DE VANGUARDA DO VALE DO PIANCÓ


Arrastando-se morosamente, há já seis anos, após sua definição em 2004 pelo Projeto Cooperar, o Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba, por mim concebido, em Piancó, foi ao encontro de uma personalidade sentimentalmente ligada a ele: LUÍS CARLOS PRESTES FILHO.

O Maior Projeto Turístico da Paraíba – assim conceituado pelo que bem se pode inferir de sua amplitude e potencialidades – felizmente se aproximou do filho de Luís Carlos Prestes. Mais um auspicioso passo adiante decerto foi dado para o prosseguimento dessa iniciativa que tanto pode contribuir para o desenvolvimento do Sertão Paraibano.

Convidado pelo SEBRAE-PB – que promoveu, de 2 a 4 deste mês, o 1° Seminário Nordeste de Turismo Rural (com o tema central “Turismo Rural do Nordeste no horizonte de 2014 – uma rede de oportunidades”), a 6ª Feira Regional de Turismo Rural – Ruraltur e a 6ª Rodada de Negócios da Paraíba, no Hotel Tambaú, em João Pessoa –, Prestes Filho compareceu à capital paraibana para ministrar uma palestra, no último dia daquele seminário, sobre cultura como fator de desenvolvimento econômico.

O filho do Cavaleiro da Esperança fundamentou suas explanações nos Arranjos Produtivos Locais de Entretenimento e Cultura desenvolvidos nos distritos da Serra de Nova Friburgo (Mury, Lumiar e São Pedro da Serra Redonda) e no pequeno distrito de Conservatória (tido como a Capital Mundial das Serestas e das Serenatas) em Valença, no Rio de Janeiro. Enfatizando as experiências turísticas bem sucedidas daqueles distritos fluminenses, Prestes Filho, que se vem destacando nacionalmente pelas suas ações como vice-presidente da Associação Brasileira de Gestão Cultural, encorajou os municípios paraibanos a seguir-lhes o exemplo, mediante criatividade e comunhão de esforços.

Eloquentemente, e demonstrando admirável compenetração cultural, Prestes Filho salientou a romântica e irresistível magia de Conservatória, peculiaridade que torna tão atraente e notável aquela fascinante localidade, e que tanto contribui para a sustentabilidade de seu desenvolvimento econômico e humano.

Ele também participou de uma mesa redonda (igualmente promovida pelo SEBRAE-PB) sobre o Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba. A ela comparecemos – do município de Piancó – eu, José Rodrigues Filho (presidente da SOS Rio Piancó) e Francileudo Pocinho (empresário e ativista do Movimento Pró-UEPB Piancó), e – do município de Pedra Branca – Francisco Teotônio de Souza (autor do importante livro Piancó – O Pequeno Grande Rio).

Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba

Regina Amorim, gestora de Turismo do SEBRAE-PB, destacou o êxito dos mencionados eventos turísticos realizados pelo SEBRAE na Semana da Pátria em João Pessoa. Aludiu também ao 1º Salão Classe A de Turismo, de 3 a 5 deste mês, na Estação Ciência Cabo Branco, promovido pela Classe A Operadora, e chamou a atenção para as inúmeras potencialidades do turismo rural paraibano, de expressiva importância ambiental, cultural e econômica.

Graça Feliciano, consultora do SEBRAE, expôs a essência do Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba, e incumbiu o professor e escritor Francisco de Assis Melo (autor do cativante livro Moleques do Palma), de exibir os dados fundamentais do levantamento topológico do dito projeto (por ele realizado, de par comigo, com o técnico agrícola Francisco Pacheco e com o motorista Antônio Francisco, em 2004).

Quanto a mim, instigado pela indignação de ver, ao longo de seis anos, o Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba relegado à estúpida indiferença de vários gestores públicos descomprometidos com iniciativas promissoras para a população, tive de referir-me a ele contundentemente.

Vociferando, exprimi a necessidade de as comunidades da Zona da Passagem da Coluna Prestes na Paraíba unirem-se, autonomamente, no aproveitamento das potencialidades turísticas dessa área, e concitei Prestes Filho a contribuir para isso. Reiterei meu empenho e esforço em favor da materialização desse projeto, que constitui, sem dúvida, um espaço de libertação econômica, social e cultural, especialmente para a pobreza rural sertaneja.

Sônia Germano, a magnânima paladina do Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba, discorreu sobre as razões que a levaram a integrá-lo ao Projeto Cooperar como uma perspectiva de redução da pobreza das comunidades rurais.

José Rodrigues Filho, ferrenho defensor da denominação da Bacia Hidrográfica Piancó-Açu (em vez de Prianhas-Açu), salientou a influência do Rio Piancó no Sertão Paraibano e a necessidade de conscientização ambiental nessa área.

Francileudo Pocinhos, que se vem notabilizando pelo seu empenho em favor de um campus universitário para Piancó (ele é ativista do Movimento Pró-UEPB Piancó) criticou a manipulação política do Vale do Piancó e o absurdo de essa região ainda não dispor de ensino universitário e estar abandonada pelos governantes.

O desembargador Coriolano Dias de Sá explanou aspectos de seu esclarecedor livro Roteiro da Coluna Prestes, no qual dá novos matizes narrativos àquela marcha memorável, particularmente em sua passagem pelo Sertão Paraibano e por Piancó.

A pedido da consultora Graça Feliciano, o desembargador encarregou-se de, auxiliado por mim, dar prosseguimento às ações instituidoras do Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba, o que já ocorrerá na próxima sessão do Fórum de Turismo do Vale das Águas, no Sertão.

Francisco Teotônio de Souza (cujo precioso livro Piancó – O Pequeno Grande Rio é inestimável para o levantamento das potencialidades turísticas da Bacia Hidrográfica Piancó-Açu) recomendou a exigência de plena comprovação dos fatos históricos relacionados ao Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba.

Prestes Filho defendeu uma nova mentalidade de desenvolvimento inspirada na compreensão mútua e no amor. Explanou considerações importantes para Arranjos Produtivos Locais favoráveis à instituição do Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba, e sugeriu que se criasse a Rodovia da Coluna Prestes na zona de abrangência desse projeto, ao qual empenhou sua plena solidariedade.

Enternecido, recordou haver certa vez estado em Piancó, em casa de Dona Juanita Ferreira da Cruz, filha do Padre Aristides (sacrificado pela Coluna Prestes), a qual o recebera com terna afetividade, e rememorou o café com bolo que ela tão gentilmente lhe servira. A meiguice daquele gesto do café com bolo de Dona Juanita transbordou claramente na emoção de Prestes Filho, ao sugerir que as iniciativas dos que estão envolvidos no Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba se fundamentem na compreensão mútua e no amor.

Renasce a esperança

Mercê do empenho de Sônia Germano, Graça Feliciano, Zezita Azevedo, Assis Melo, Fátima Domiciano, SEBRAE-PB, Projeto Cooperar, e de outras personalidades e entidades, o Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba volta à tona. Ressurge. Reaparece. Revivifica-se.

Projeto de amplas dimensões, de muitas complexidades e desafios, mas o Maior Projeto Turístico da Paraíba. E isso, por si só, basta para torná-lo intensamente fascinante, atraente, auspicioso... para valer a pena lutar por ele...

Nunca, talvez, na história econômica da Paraíba, tenha surgido algo de tão favorável para os pobres: o Turismo Solidário e Comunitário da Zona da Passagem da Coluna Prestes no Sertão Paraibano.

Voltarei a percorrer essa zona, por onde, em 2004, anunciei o despontar do Maior Projeto Turístico da Paraíba, que a Providência me permitiu conceber...

De Uiraúna a Princesa Isabel, testemunhei a secular degradação e pobreza da maior parte das comunidades rurais dessa acolhedora área, tão promissora para as mais diversas modalidades de turismo, e, ao mesmo tempo, tão indiferente a essa ímpar perspectiva de desenvolvimento.

Presenciei a dolorosa desolação provocada pelo êxodo rural. Vi profunda amargura no semblante triste de mães desfavorecidas. Desditosas mães, solitárias e saudosas dos filhos, que, por falta de oportunidades de sobrevivência digna no torrão natal, tiveram forçosamente de buscar outras terras, onde pudessem tentar a vida.

Não vi, por onde passei, indício algum de iniciativas de economia solidária capazes de mudar esse degradante quadro da pobreza rural. Há nas comunidades rurais dessa região uma espécie de apatia ao progresso. Parecem indiferentes à evolução financeira. Como que padecem de um conformismo crônico, submissas, manipuladas, alienadas.

Precisam urgentemente de comunhão de prosperidade, de emancipação econômica e intelectual. E o meio mais seguro para obterem isso será a Rede de Turismo Solidário e Comunitário da Zona da Passagem da Coluna Prestes na Paraíba.

Irei integrar-me a elas na luta por essa conquista!...

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

CHICO JÓ CONCEBE O MAIOR PROJETO DE TURISMO SOLIDÁRIO E COMUNITÁRIO DA PARAÍBA, E EMPENHA-SE EM PROL DA PERPETUAÇÃO DA MEMÓRIA DA COLUNA PRESTES


Sempre que eu me envolver em qualquer consideração ou impulsão ao desenvolvimento do Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba (por mim concebido como Projeto Histórico-Cultural Roteiro Turístico do Itinerário da Passagem da Coluna Prestes no Sertão Paraibano), minha consciência me moverá a ressaltar minha gratidão à ex-coordenadora do Projeto Cooperar, Sônia Germano.

É que Sônia, movida pelo sentimento humanístico que tanto a distingue, foi brilhantemente lúcida para acatar aquela minha concepção turística, e pugnar pelos meios de concretizá-la.

Habilmente, Sônia foi capaz de conseguir pelo Projeto Cooperar o patrocínio do levantamento topológico (a cargo da Holos-Cooperativa de Profissionais em Desenvolvimento Humano e Serviços Técnicos Ltda.) da Zona da Passagem da Coluna Prestes na Paraíba (Zona da Coluna), em 2004, no qual me foi dada a honra de tomar parte.

Em suma, Sônia Germano foi admiravelmente proficiente para integrar o Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba às políticas do Projeto Cooperar. É muito justo, pois, enaltecer-lhe tão providencial gesto em defesa da consolidação dessa tão auspiciosa perspectiva turística para o Sertão Paraibano.

Os que trabalham com ideias trabalham com sonhos, com utopias, com desafios, com esperanças. Antes de tudo, devem ser livres, arrojados, destemidos, intrépidos, comprometidos com o ideal do bem e da solidariedade, porque as boas ideias somente assim o serão se fundamentadas na coragem de ousar mudanças e servir. Os que trabalham com ideias quase sempre sofrem, porque, em certos casos, diferem dos que ordinariamente só percebem a palpável realidade. Sofrem, porque, no mais das vezes, os assedia uma angustiante sensação de solidão, solidão da palavra edificante, solidão da discussão filosófica, solidão da compatibilidade.

Mas os que trabalham com ideias gozam, pelo menos, de dois privilégios únicos: o êxtase da criatividade e a sensação da perpetuidade. Criar é elevação espiritual manifestada por ímpar alegria, que nos encoraja a persistir; criar é pressentir que nosso ser se prolonga pelo tempo adiante, levando à posteridade algo do que restou de nós em nossa efêmera passagem pela vida terrena.

Com profundo amargor, tal qual outros tantos pais e avós, vi cinco de meus filhos e três de meus netos partindo, contrafeitos, para o Sul do País, à medida do agravamento da precariedade de vida de Piancó e da Região, onde, à míngua de políticas publicas de desenvolvimento humano sustentável, a pobreza e desigualdade social tanto têm contribuído para a desagregação familiar e a migração.

Estou entre os que presenciam e vivenciam esse quadro de injustiça social, e devo, portanto, ainda mais por questão de sobrevivência, insurgir-me contra ele. As boas ideias, com certeza, são instrumentos eficazes para mudar tudo isso, e, entre elas, o Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba desponta como uma das mais promissoras.

Sem acesso a meios de produção, sem senso comunitário, sem qualificação competitiva, os pobres daqui têm-se arrastado, ao longo do tempo, por uma constante degradação humana, que lhes aniquila a autoestima e o sonho de crescer.
Verdadeiro calvário da miséria!

Concebido em tal contexto, não é, portanto, de estranhar que o Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba, apesar de tão risonho, encontre obstáculos para sua ascensão. As comunidades destinatárias dele não estão, pela maior parte, cônscias dessa potencialidade econômica que ora se lhes depara. Deixando-se irracionalmente manipular e conduzir pelo conservador sistema político dominante, os pobres da Zona da Passagem da Coluna Prestes na Paraíba comportam-se como que entorpecidos pela doutrinação alienadora de governantes inescrupulosos. Tornam-se meros fantoches da opressão, sem visão crítica da realidade, sem dinâmica pessoal e coletiva de crescimento, sem, enfim, nenhum projeto de vida sustentável.

Céleres correm os anos, e a sucessão da pobreza só ainda mais se acentua. Míseros agricultores que, há muito, foram vistos a mendigar um dia de serviço por vil preço, estão hoje em condição ainda mais deplorável, uma vez que à sua penúria veio juntar-se a de sua prole.

E essa assertiva bem se evidencia em Piancó, berço do Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba, projeto tão fecundo que é em possibilidades de emancipação econômica para os pobres. Tão fecundo sonho em solo tão falto de compreensão! Tanto assim que, desde o levantamento topológico da Trilha da Coluna Prestes na Paraíba, em 2004, até hoje, o Poder Público de Piancó tem-se mostrado indiferente a tal iniciativa.

Mas conceber o Projeto Histórico-Cultural Roteiro Turístico do Itinerário da Passagem da Coluna Prestes na Paraíba, e com ele envolver-me, foi-me convincente revelação de que algo grandioso pode, de repente, surgir de qualquer lugar, de qualquer pessoa, a qualquer tempo. Essa arrojada concepção põe-me diante de fatos que se projetam para o futuro, e levam-me de envolta com eles e com todos os que os seguem. Não posso, pois, abdicar de minha autodeterminação e empenho em prol da materialização desse sonho.

E, à medida que vou inferindo certos aspectos de atitudes arraigadas das comunidades integrantes desse projeto, mais e mais me convenço de que elas só serão capazes de construí-lo, se comungarem num contínuo e progressivo processo de Educação Popular e Comunitária.

Não posso prescindir de minha obrigação moral de contribuir como ator de superação dos obstáculos que se apresentam ao Projeto Turístico Trilha da Coluna Prestes na Paraíba, e como instrumento contributivo para concretizá-lo. Afinal, esse projeto emana de mim, de minha inquietação intelectual na busca de um espaço de liberdade e de sobrevivência, em comunhão com os que comigo se identificam nesse propósito. Minha persistência nesse intento decorre da indignação de saber que os beneficiários pobres desse projeto ficam, no mais dos casos, à mercê da opressão política burguesa, que tudo tece para lhes usurpar a autonomia de autorrealização, o que é bem manifesto em Piancó.

Exatamente por isso, é que defendo a Educação Popular Comunitária nas comunidades desse projeto. É bem possível que só por esse meio lhes seja dado emanciparem-se da dominação, e assumirem seu protagonismo no exercício consciente da cidadania ativa e crítica e da autodeterminação de desenvolvimento.

Somente assim, pois, pela efetiva participação nos seus destinos políticos, pela organização em proveito de mudanças profícuas, pela ruptura de paradigmas injustos, pela busca de melhoria e aprimoramento da vida comunitária, é que poderão tais comunidades converter essa área no próspero e fecundo Roteiro de Turismo Solidário e Comunitário da Zona da Passagem da Coluna Prestes na Paraíba, roteiro que, pela sua dimensão e potencialidades, inquestionavelmente, constitui o maior projeto turístico desse Estado.


Movimento virtual para criação da REDE DE TURISMO SOLIDÁRIO E COMUNITÁRIO DA ZONA DA PASSAGEM DA COLUNA PRESTES NA PARAÍBA ─ TURCOLUNA


Ante a concentração de riqueza que o turismo convencional proporciona a privilegiadas minorias, em detrimento principalmente da pobreza local, torna-se imperioso pensar em mudança.

Tradicionalmente excluídas da participação dos bens sociais e do poder, em virtude de suas desfavoráveis condições econômicas, sociais, políticas e culturais, as comunidades da Zona da Passagem da Coluna Prestes na Paraíba precisam integrar-se quanto antes em um processo de desenvolvimento comunitário regional de longo alcance, que assegure sustentabilidade em todos os níveis e soerguimento econômico dessa área.

Precisam emergir da submissão para a autonomia; do servilismo a governantes corruptos e descomprometidos com o bem coletivo para a altivez de sujeitos políticos de seu próprio progresso; do impositivo dogmatismo acadêmico ao tolerante “saber de experiência feito”; da ingerência tecnicista em seus interesses comuns para a independência de suas decisões e da autogestão de seus empreendimentos.

Nada melhor para isso do que a constituição de uma Cadeia Produtiva e Solidária, da qual promane a REDE DE TURISMO SOLIDÁRIO E COMUNITÁRIO DA ZONA DA PASSAGEM DA COLUNA PRESTES NA PARAÍBA, sinteticamente denominada TURCOLUNA, que abre múltiplas possibilidades de desenvolvimento econômico social sustentável jamais vistas no Sertao Paraibano.

Confinando, ao norte, com o Rio Grande do Norte, e, ao sul, com Pernambuco, a Zona da Passagem da Coluna Prestes na Paraíba compreende 23 municípios das microrregiões sertanejas de Cajazeiras, Sousa, Patos, Piancó e Serra do Teixeira, e equivale a cerca da metade do território da mesorregião do Sertão Paraibano.

Eis o Eldorado Sertanejo, de tantos recursos naturais e culturais, do maior reservatório de água doce do Estado, do sol vivificador, dos ares salubres, de aconchegante calor humano e irresistível hospitalidade...

Eis a acolhedora terra, indelevelmente sulcada pelos passos imortais dos heroicos combatentes da Coluna Prestes, passos de um símbolo de protesto e resistência que ressurge ressignificado no MAIOR PROJETO TURÍSTICO DA PARAÍBA...


Jornada virtual ─ REFAZENDO OS PASSOS E REVIVENDO A MEMÓRIA DA COLUNA PRESTES

Todos os que lutam pelos direitos humanos e por um Brasil pleno de justiça social têm obrigação histórica de possibilitar a perenidade do brio e da memória da invicta Coluna Prestes.

Que neste alvorecer da Pós-Modernidade sejam mobilizados todos os meios possíveis, pessoais e cibernéticos, para fazerem com que a dignidade, o heroísmo e o ideal de liberdade da Coluna Prestes possam ecoar inspiradoramente no espírito das gerações dos séculos futuros.

domingo, 18 de julho de 2010

SOUZINHA: RESPEITÁVEL VETERANO E MENTOR DO PODER LEGISLATIVO DE PIANCÓ


O vereador Francisco Ferreira da Silva (PMN), conhecido como Souzinha, membro da atual bancada de oposição da Câmara Municipal de Piancó, destaca-se como o veterano dessa Casa, onde tem atuado ininterruptamente desde 1989.

Simpático e influente, Souzinha distingue-se como um dos líderes políticos mais identificados com a sociedade piancoense. Os seis mandatos consecutivos que a população lhe outorgou provam muito bem isso.

Profundo conhecedor da tessitura política e social de Piancó, Souzinha é tido na Câmara como vereador referência. Todos, tanto da situação quanto da oposição, lhe ouvem respeitosamente os conselhos, os ensinamentos e as críticas.

Prudente e ético, comedido e convincente, Souzinha molda seu discurso com argumentos suficientemente persuasivos para torná-lo um verdadeiro mestre da sociologia política piancoense. Conhece a fundo a trágica realidade da pobreza de Piancó, e deplora o fato de as comunidades carentes não terem ainda adquirido consciência do poder de pressão que elas têm para a cobrança de seus direitos sociais.

Dotado de extraordinária capacidade de prever os desdobramentos políticos de Piancó, por relacionar-se satisfatoriamente com todas as correntes partidárias desse município, Souzinha é capaz de exercer influência positiva nas decisões das lideranças locais. Sua experiência no contexto sócio-político piancoense dá-lhe a credibilidade de aconselhar o que é benéfico para Piancó, embora, infelizmente, nem sempre seja posto em prática pelos governantes.

Apesar de combater irregularidades na gestão da prefeita Flávia Serra Galdino, e criticá-la severamente por certas atitudes administrativas praticadas por ela em desfavor da harmonia entre os Poderes Executivo e Legislativo, Souzinha sempre condescende com a bancada situacionista e com a prefeita quando se trata de assuntos favoráveis a Piancó.

Tido pela coletividade como um dos vultos dignos de governar Piancó, não será de estranhar se o nome de Souzinha ecoar para prefeito nas eleições de 2012.